OS TRÊS MAIORES ESTILOS DE KARATE

 

 

Como se vê por esse breve histórico, várias escolas de karate surgiram. Muitas bem sucedidas e que carregam vários adeptos através dos anos, mantendo os ensinamentos originais de seus fundadores. Cada escola marcial, que se tornava forte, tinha suas próprias características tornando-se uma arte em si.

 

Além disso, a partir do estilo especial de treinar karate criado em Okinawa, linhas também especiais surgiram, como o Goju-Ryu, Shito-Ryu e Shotokan.

 

Esses se destacam como os principais estilos (mantém-se até hoje, no mundo todo). Cada estilo possuía dezenas de adeptos.

 

Entre todos eles, alguns se sobressaiam e chegaram a desenvolver a arte marcial a um nível nunca atingido anteriormente. Dessa forma, o destaque e reconhecimento era inevitável. Muitos alunos e seguidores consideravam seus conhecimentos como um livro sagrado, na tentativa de perpetuar seus ideais.

 

Porém essa perpetuação não ocorreu de forma ilesa, isso, por permitir um grande número de adeptos, que se espalhavam pelo mundo todo, e que acabaram por criar diferentes correntes. Para denotar essa situação, observe na figura abaixo . Nela estão descritos os três principais estilos e as mais fortes correntes atualmente existentes.

 

Os três maiores estilos de Karate.

 

 

GOJURYU


O discípulo de Sensei Chojun Miyagi, Shinzato Jin’an executou uma performance de kata no All Japan Marcial Arts Tournament, e foi convidado a participar da cerimônia de coroação de Hiro Hito em 1930. Após sua performance Shinzato foi questionado por um mestre de kobudo sobre a qual escola de Karate ele pertencia. Shinzato não pode responder aquela questão por naquele tempo não haver um nome para cada estilo de Karate. Quando Shinzato voltou a Okinawa, ele contou para Chojun Miyagi sobre o encontro, Miyagi pensou sobre o problema por um momento. Finalmente ele decidiu que era necessário ter um nome para seu estilo de arte marcial, para promover e expandir sua arte e também cooperar com as escolas japonesas de artes marciais.

Chojun Miyagi chamou sua arte de “Goju-ryu” que significa “rígido e flexível” de acordo com os preceitos do tradicional Kenpo chinês. Miyagi foi o primeiro mestre entre diferentes escolas de Karate a nomear sua arte. Embora Miyagi ter chamado sua arte de Goju-ryu ele raramente usava o nome, nem como placa de identificação em seu dojo. Em 1930, a arte de Miyagi estava formalmente registrada como “Goju-ryu” na Botuku-Kai, a associação japonesa de artes marciais.

Em 1930, Miyagi estava muito ativo no desenvolvimento e divulgação do Karate-do no Japão e também no resto do mundo. Em 1934, Miyagi estava no posto de chefe do comitê da ramificação de Okinawa da Botuku-Kai Association.

Em abril de 1934, um jornal havaiano convidou Miyagi para ir ao Havaí para introduzir e popularizar o Karate. Ele ficou dez meses no Havaí antes de retornar para Naha. Em 1934 ele também recebeu uma comenda do ministério da educação por seu excepcional serviço no campo da educação física.

Chojun Miyagi chamou sua arte de "GOJU-RYU". Ele escolheu o nome baseado na obra "OITO PRECEITOS" do tempo chinês tradicional que são encontrados no documento chamado "BUBISHI". Estes são os "Oitos Preceitos" na sua tradução para o Português:

 

  1. A mente é única junto ao céu e a terra.

  2. O ritmo circulatório é similar ao ciclo do sol e da lua.

  3. A forma de inspirar e exalar são o mesmo que a aspereza e a maciez.

  4. O ato é de acordo com o tempo e a oportunidade.

  5. técnicas vão ocorrer quando houver a ausência de pensamento consciente.

  6. Os pés devem avançar e recuar, separar e encontrar.

  7. Os olhos não perdem nem a menor mudança.

  8. Os ouvidos escutam bem em todas as direções.

 

VER TAMBÉM

Origens do Karate

Artigo de revisão (2000): Carate, Abordagem do Ciclo de Vida

 

 




(GOOGLE ADDS)







© ® 2003                                                                                                                   Página Inicial